Partilhar

Martorell, 27/09/2016. – Encontramos dois técnicos, numa sala grande e vazia, com óculos de realidade virtual. Um está a utilizar luvas e o outro opera os comandos de controlo. Um estica-se para alcançar algo no ar, o outro abaixa-se e ambos andam em círculos. Não conseguimos ver, mas eles estão a analisar o carro que irá ser apresentado daqui a poucos dias no Salão Automóvel de Paris. “O que achas das jantes diferentes?” “Está ótimo, perfeito” concluem ambos.

Tal como nos setores médicos, científicos ou de vídeo jogos, a realidade virtual é também essencial na indústria automóvel, e é uma tecnologia que a SEAT tem vindo a utilizar nos últimos 20 anos: “Ajuda-nos a otimizar os nossos processos de produção e a visualizar com precisão o produto que vamos fabricar” comenta Javier Díaz, Diretor do Centro de Protótipos da SEAT. Mais especificamente, o uso desta tecnologia reduziu em 30% o tempo de produção dos protótipos, a etapa anterior ao lançamento do carro.


A diferença tem sido substancial. Antes, eram necessárias mesas com mais de 10 metros de comprimento para apresentar os planos, listas infindáveis de peças dos carros e eram necessários meses de trabalho. Agora graças à realidade virtual, é necessário apenas um computador para visualizar todo o carro e efetuar os melhoramentos de forma muito mais rápida.

Esta tecnologia cortou em metade o número de protótipos que se criam antes do lançamento de um modelo. A otimização do tempo e outros recursos tem um impacto positivo para o cliente – não apenas na precisão e qualidade do produto, mas também no preço final.

Um bom exemplo disso é o novo SEAT Ateca, onde todo o processo tem sido seguido com realidade virtual: “Passaram mais de três anos entre o momento em que vimos as imagens iniciais até o carro sair para o mercado. Durante esse tempo analisámos cada centímetro do carro e tomámos inúmeras decisões para o melhorar; em particular implementámos mais de 800 melhoramentos na etapa virtual”, acrescenta Javier.

Os dois técnicos da SEAT tiram os óculos. Por enquanto ainda é um modelo confidencial. Os restantes terão de esperar para ver o carro real no próximo Salão de Paris.