903 minutos de sol. Esta é a luz que terá o dia mais longo do hemisfério norte do nosso planeta. A 21 de junho tem lugar o solstício de verão, um fenómeno que marca o início dos três meses do ano com mais horas de claridade e de calor. Espanha e a zona meridional europeia usufruem entre 2.500 e 3.000 horas de sol anuais, uma fonte de energia que a SEAT recolhe graças a uma das maiores unidades fotovoltaicas da indústria automóvel:

Uma unidade fotovoltaica com 276.000 metros quadrados

Com uma área equivalente a 40 campos de futebol, a companhia inaugurou, em 2013, um total de 6 unidades fotovoltaicas com mais de 53.000 painéis solares. Colocado nos telhados da fábrica e da unidade de preparação de veículos prontos, o conjunto de painéis gerou mais de 112 milhões de kWh desde o arranque da produção elétrica.

Energia para carregar 3.000 telemóveis por dia durante um ano

Uma das maiores unidades fotovoltaicas do mundo na indústria automóvel situa-se na fábrica da SEAT em Martorell

Nesta unidade fotovoltaica geram-se mais de 17 milhões de kWh anuais, quantidade suficiente para abastecer as necessidades de uma povoação de 15.000 habitantes ou carregar 3.000 telemóveis por dia durante um ano. A corrente gerada é reutilizada na fábrica e cobre 6% do total de energia necessária a Martorell. Portanto, esta quantidade de energia permitiu produzir 67.000 automóveis desde o início de funcionamento da instalação.

Supervisão com imagem aérea

Um drone contribui parcialmente para a manutenção da instalação. Uma vez por mês, sobrevoa a instalação equipado com um sensor visual e uma câmara termográfica para realizar a análise às placas e verificar o seu funcionamento. No total, fazem-se 16 voos, a 35 metros de altura, para completar esta inspeção.

Um benefício para o meio ambiente

Esta instalação também contribui para um ar mais limpo já que anula cerca de 4.000 toneladas de CO2 por ano. Uma redução equivalente à que conseguiriam cinco Central Park juntos, um pulmão verde de 17 quilómetros quadrados, a cada ano. O objetivo da empresa para 2025 é o de reduzir para metade, entre outros, o gasto de água, das emissões de CO2 e dos resíduos gerados face a 2010.