Com mais de dois milhões de quilómetros quadrados, a Argélia é o maior país africano e o nono mais populoso. A noroeste fica ‘Ighil Izane’, nome árabe para Relizane, uma cidade erguida sobre construções romanas, fenícias e turcas. Numa parte dos campos onde antes se produziam cereais, uvas e algodão, agora são montados automóveis para distribuir por todo o país. E a população local identifica-se com esta troca: “Com a chegada da fábrica, a região ganhou dinâmica e criaram-se postos de trabalho. As pessoas estão muito motivadas”, sublinha Salvador Soler, Diretor de Qualidade da SOVAC na Argélia. É assim que funciona a fábrica que montou o SEAT Ibiza 15.000 no país:

No noroeste da Argélia, há uma fábrica onde nascem 120 automóveis todos os dias.

  • 620 trabalhadores e um automóvel a cada dez minutos: Desde manhã cedo e até noite dentro, quatro linhas de produção na fábrica de Relizane montam até 120 carros por dia. Os 620 empregados fazem o seu melhor para que a cada dez minutos saia um novo automóvel pronto a ser comercializado.
  • Uma fábrica 100% local: “Os trabalhadores são desta zona. Todos receberam quatro meses de formação em qualidade”, explica Salvador Soler, que está na Direção desde o início. “Esta fábrica está cheia de gente jovem e multicultural. Tanto se ouve falar inglês como francês ou árabe”, acrescenta Soler.
  • Controlos de qualidade durante todo o processo: “Fazem-se até 1.000 verificações de apertos por dia e todos os mecanismos e encaixes dos automóveis são reverificados”, esclarece o Diretor de Qualidade. Na montagem dos veículos intervêm mais de 50 pessoas e um sistema informatizado para que os automóveis, pela primeira vez montados fora da Europa, tenham os mesmos padrões de qualidade.

A Argélia é o país onde as entregas da SEAT mais aumentaram comparativamente com o primeiro trimestre de 2017, assumindo-se como o quinto mercado em termos de volume.

  • Condução em pavimentos desafiadores: depois de verificados os trens de rodas e o sistema de travões, os veículos ficam prontos a circular, pela primeira vez, numa pista exterior especial, dotada de sete tipos de pisos irregulares, alguns simulando empedrado e outros com superfícies deslizantes. “Desta forma, experimentamos o ABS e confirmamos que o cliente pode conduzir em qualquer condição de forma totalmente segura”, especifica Soler.
  • A pintura, inspecionada em túnel de luz: “Sabemos que o mercado argelino é especialmente exigente com o acabamento da pintura”, diz o Diretor de Qualidade. Por esta razão, a superfície é revista uma vez mais em túnel de luz depois do teste de condução, podendo ser detetados desvios de 1 milímetro ou pequenas diferenças de cor, normalmente quase invisíveis à vista desarmada.
  • Argélia, o quinto mercado em volume: a SEAT vendeu 7.200 veículos no país até março, depois do início da comercialização da quinta geração do Ibiza saída da fábrica de Relizane. Desta forma, a Argélia torna-se no país onde as entregas mais aumentaram em relação ao primeiro trimestre de 2017, batendo um novo recorde e assumindo-se como o quinto mercado em volume. Além disso, a partir do próximo verão, será dado início à montagem final do Arona e do Leon, ambos fabricados em Martorell, o que permitirá continuar a aumentar o volume de vendas.