A aposta da SEAT na formação e no talento celebra mais um aniversário com a passagem dos 60 anos de vida da Escola de Aprendizes. Este centro de formação profissional de excelência nasceu em 1957 com o objetivo de formar jovens profissionais no âmbito da indústria automóvel, sendo já superior a 2.600 o número de estudantes que passam pelo centro neste período.

Ao longo destas seis décadas, a Escola de Aprendizes da SEAT foi-se adaptando às mudanças e novidades dos planos de formação profissional, integrando programas pioneiros como a implantação, no ano de 2012, da Formação Profissional (FP) Dual, inspirada num modelo alemão. Este programa combina formação teórica com a prática aplicada em aulas e com períodos de trabalho nas fábricas de produção SEAT. Os estudantes assinam um acordo laboral de formação e de aprendizagem que contempla a contribuição para a segurança social com base numa remuneração mensal respeitante ao trabalho que realizam.

O elevado nível técnico das instalações e dos formadores, juntamente com a realização de ações de formação num ambiente real, impulsionaram o êxito da Escola de Aprendizes da SEAT na qual aprendem e trabalham atualmente 163 jovens. Xavier Ros, vice-presidente de Recursos Humanos da SEAT, destaca o trabalho louvável da Escola na estratégia de formação e da empresa. “Os jovens encontram uma oportunidade tripla: aprender um ofício, desenvolvê-lo em condições de trabalho real e integrar-se na fábrica com um contrato sem termo no final da sua formação. O facto de um em cada dois estudantes entre os que passaram pela Escola de Aprendizes fazer parte da atual força de trabalho da SEAT e de 11% dos executivos da empresa terem completado a sua formação no centro valida a estratégia que tem sido implementada.”

A FP Dual desenvolvida pela Escola de Aprendizes da SEAT permite aos estudantes a obtenção de um curso duplo, alemão e espanhol, depois de completarem 4.600 horas de formação ao longo de três anos. A formação nas aulas e nas oficinas da escola intercalam com as horas nos centros de produção, onde trabalham sob a supervisão de formadores qualificados pela Câmara de Comércio Alemã. Esta formação, baseada no modelo alemão, garante capacidades abrangentes e preparação para os desafios da vida profissional diária.

São o futuro da empresa. Precisamos de jovens que tenham vontade de aprender e de adaptar-se à mudança

Num setor de mudanças constantes e disruptivas como é o do automóvel, a qualificação e formação dos profissionais são a chave para o êxito das organizações. “São o futuro da empresa. Precisamos de jovens que tenham vontade de aprender e de adaptar-se à mudança”, acrescentou Xavier Ros. Jovens como o recentemente premiado Marc Estapé Martos, estudante da Escola de Aprendizes da SEAT que, depois de concluir a sua formação de três anos, entrou em meados de 2015 na área de Pintura. Estapé foi um dos 45 estudantes de 19 países, em cinco continentes, a que o Grupo Volkswagen reconheceu extraordinária dedicação e competência profissional.

Novas formas de aprendizagem e a escuta ativa dos millennials

Atrair talento e reter os melhores profissionais é uma prioridade para o crescimento e melhoria da competitividade da SEAT, daí a importância que a empresa atribui à formação e capacidade de realização dos seus trabalhadores. Por isso aposta nos novos formatos de aprendizagem, que inspirem as suas equipas e lhes proporcionem uma formação inovadora e assente na experiência.

Na senda desta visão, a empresa implementou o SEAT Talks, um encontro que proporciona aos trabalhadores uma perspetiva diferente dos temas socioeconómicos, que seja um convite à reflexão sobre aspetos úteis para o presente e futuro das suas funções. Naquela que foi a primeira jornada desta iniciativa, a digitalização foi o tema central, abordado sob pontos de vista inspiradores e criativos.

The SEAT Apprentice School

O SEAT Talks enquadra-se na estratégia EASY da empresa, através de um conjunto de projetos estruturais destinados a ajudar a SEAT a desenvolver o seu processo de digitalização e como fornecedor de soluções flexíveis de mobilidade. Entre eles está o projeto Tiki-Taka, a cargo da área de Recursos Humanos, que pretende simplificar a forma de trabalhar e promover a relação entre os empregados.

Por outro lado, e tendo em conta que 24% dos 14.000 empregados da SEAT são millennials, é inegável o papel deste grupo como alavanca no processo de transformação digital que se vive na marca. Assim, a SEAT tem apostado na definição de novas formas de trabalho que correspondam às suas necessidades.

Em linha com toda esta estratégia, a SEAT organizou no passado mês de setembro um workshop digital colaborativo através da plataforma Facebook e destinado a empregados com um máximo de 27 anos. O objetivo residia em identificar oportunidades de melhoria nas áreas da cultura, liderança, desenvolvimento e aprendizagem, compensação, rendimento e formas de trabalho. Os resultados evidenciaram os desejos dos millennials da SEAT em trabalharem numa empresa totalmente digital, conectada e flexível, dando-se-lhes espaço para desenvolverem a autonomia e flexibilidade, potenciando o trabalho colaborativo, a cocriação e o co trabalho interno, entre outros.

Em 2015 contribuiu para o desenvolvimento económico do país com a criação de 90.250 empregos

A SEAT é o maior empregador do seu setor e um dos maiores de Espanha. Em 2015 contribuiu para o desenvolvimento económico do país com a criação de 90.250 empregos (diretos e indiretos). A sua atividade tem um importante efeito de bola de neve no tecido empresarial e industrial do país: por cada emprego direto criado pela SEAT geram-se em Espanha um total de 6,5 postos de trabalho.