A SEAT continua a bater recordes, tanto em Portugal, como a nível internacional. Depois de cumprir o seu melhor trimestre da história, a marca mantém a tendência de subida consolidada: em abril, as vendas cresceram 44,6% em Portugal – enquanto o mercado cresceu “apenas” 13,8% no mesmo período.

Em termos internacionais, no mês de abril, a SEAT incrementou as suas vendas em 21,0%, para um total de 50.100 automóveis vendidos (2017: 41.400). Com este volume, a SEAT alcançou o seu melhor mês de abril de sempre, superando o anterior recorde registado no ano 2000 (45.100).

Nos quatro primeiros meses do ano, a SEAT entregou 3.457 veículos no mercado nacional (mais 29,1%) e 189.300 automóveis globalmente (mais 19,3%).

No acumulado entre janeiro e abril de 2018, a SEAT Portugal registou um aumento de vendas de 29,1%, muito acima do crescimento de 7,6% do mercado, totalizando 3.457 viaturas entregues no mercado português (contra 2.678 automóveis em 2017).

Em termos acumulados a nível global, a marca manteve igualmente um volume recorde e superou o maior valor de vendas da sua história (ano 2000: 181.300 veículos). No total, a marca vendeu 189.300 automóveis em todo o mundo, mais 19,3% do que no mesmo período de 2017 (158.700).

SEAT sales go up by 21% in April

A nível global, a marca completa o seu melhor mês de abril de sempre.

O vice-presidente Comercial da SEAT, Wayne Griffiths, sublinhou que a marca conseguiu “manter um volume de vendas recorde em abril. Na Europa, estamos a crescer claramente acima da tendência do mercado e, para lá das fronteiras europeias, a subida ainda é maior, graças à evolução tão positiva na Argélia. A estratégia de globalização da SEAT já está a dar resultados. Ao mesmo tempo, continuamos a inovar com novos projetos, como a plataforma de eCommerce que criámos para o arranque das vendas na Noruega. Este projeto servirá de incubadora para o desenvolvimento de soluções para os restantes mercados.”

No primeiro quadrimestre do ano, a Alemanha, Espanha e Reino Unido foram, juntamente com a Argélia, os quatro países com maior crescimento em volume de veículos face a igual período de 2017. Espanha, o maior mercado da SEAT, subiu 15,9% e soma um total de 39.200 automóveis vendidos, seguindo-se a Alemanha (35.300; +19,0%) e o Reino Unido (23.700; +13,8%). França e Itália, dois mercados estratégicos para a SEAT, também crescem solidamente, chegando aos 10.000 (+13,3%) e 8.400 veículos (+17,5%), respetivamente. Áustria (7.800; +23,7%), Suíça (4.000; +18,0%), Bélgica (3.900; +29,8%), Portugal (3.500; +29,0%) e os Países Baixos (3.300; +45,0%) mantêm uma sólida tendência positiva.

Na Europa Oriental, as vendas da SEAT dispararam 22,8% em abril, para um total de 12.700 veículos entregues, graças ao impulso de países como a República Checa (3.100; +16,4%), Eslováquia (1.800; +150,3%) e Eslovénia (1.000; +26,7%).

As vendas fora da Europa cresceram quase 25%, registando um forte impulso no Norte de África.

Fora do continente europeu, o crescimento é ainda maior e a SEAT atinge uma subida de 24,8% para um total de 28.300 veículos. O resultado mais impressionante registou-se na Argélia, que, com 10.000 veículos entregues, multiplica por 10 o resultado do período homólogo de 2017, o que, em conjunto com Marrocos (900; +64,8%) e a Tunísia (700; +19,2%), explica o resultado deste crescimento.

Vendas estimulam lucros e criação de emprego na SEAT

O sucesso comercial da SEAT, especialmente com os veículos fabricados em Martorell (Ibiza, Arona e Leon), permitiu contratar 250 novos colaboradores com contrato sem termo a partir de dia 1 de junho, que se vêm juntar aos 265 que entraram em janeiro e fevereiro deste ano. Atualmente, fabricam-se por dia 2.300 veículos em Martorell, o que equivale a 95% da capacidade máxima da fábrica.

Do ponto de vista financeiro, o aumento das vendas e o efeito positivo no mix de vendas, com o lançamento do SEAT Arona, resultou num crescimento dos lucros operativos da SEAT para 85 milhões de euros no primeiro trimestre de 2018, o equivalente a um crescimento de 51,4% em comparação com o mesmo período de 2017 (56 milhões). Por outro lado, o volume de negócios da empresa subiu para 2.782 milhões de euros, 11,8% acima dos três primeiros meses do ano passado (2017: 2.487 milhões).