Martorell, 04/11/2016 – Ele já voou de uma altitude superior a 4.000 metros e efetuou todo o tipo de acrobacias aéreas, mas o que dá mais prazer a Jean-Baptiste Chandelier é voar o mais perto possível do chão. Este piloto de parapente francês é especializado naquilo que ele chama de “toque”, que é quando ele toca numa superfície com a mão ou o pé enquanto voa, e é o que ele mais gosta de fazer. Os seus “toques” favoritos são na neve, areia, água ou prédios em qualquer parte do mundo. O seu último desafio foi tocar no teto do SEAT Ateca enquanto percorria a estrada nos Alpes Franceses.

Ele vê a linha da estrada no meio das montanhas. “Ali está o carro!” grita Jean-Baptiste lá do cimo. Ele desce gradualmente, dominando o ar, o seu parapente e a gravidade. De repente, ele faz magia novamente e desliza para cima do teto do suv SEAT Ateca, toca-lhe com um pé e volta a subir pelo ar, congratulando-se com um “yuhuuu” por ter superado o desafio.

Jean-Baptiste Chandelier, é um embaixador da SEAT em França e alcançou altitudes superiores a 4.000 metros. Para além do céu francês, ele também voou em outros países como Nova Zelândia. Brasil, Peru, Chile, Marrocos, Namíbia, Espanha e Portugal.

Com mais de dez anos de experiência, ele afirma que adora fazer parapente porque lhe permite, “ver paisagens maravilhosas e descobrir o mundo de um ponto de vista estratégico. A sensação de liberdade é fantástica. Sinto-me como um Ícaro moderno, quase como um pássaro humano.”

A facilidade aparente com que Jean-Baptiste Chandelier lida com o parapente é, de facto, muito parecido com um pássaro a voar no céu. Ou como ele prefere dizer, “Um superpoder como o do Super-homem ou do Peter Pan”.