A SEAT formalizou hoje a entrega de uma frota de viaturas Leon TGI, que junta a tecnologia híbrida de gasolina com GNC (Gás Natual Comprimido), à Dourogás, grupo que integra empresas de distribuição e comercialização de gás natural. O negócio, que é o primeiro da área de frotas da SEAT com os seus modelos TGI, foi realizado pelo Concessionário da rede automóvel Irmãos Leite, de Vila Real.

Grupo Dourogás adquire viaturas SEAT LEON TGI para reforçar a sua frota de ligeiros

A SEAT é um dos construtores automóveis que mais tem investido na tecnologia GNC, uma opção atractiva tanto para clientes particulares como para as frotas empresariais, sejam PME ou grandes empresas. O impulso recente dado pelas recomendações e normativas europeias ao nível da expansão da rede de abastecimento está a criar as condições para a aposta na comercialização destes carros híbridos.

“Esta é uma aposta estratégica para a Marca. Os nossos modelos TGI são uma boa alternativa entre os motores tradicionais e os elétricos, com uma mais-valia ao nível da sustentabilidade ambiental, autonomia de condução e vantagens económicas”, afirma Rodoldo Florit, director-geral da SEAT Portugal. 

“O gás natural veicular é o combustível mais económico, menos poluente, seguro e a opção ideal para particulares e profissionais. O esforço de investimento que temos vindo a fazer nesta área é para continuar”, diz Nuno Moreira, CEO da Dourogás, que acrescenta: “Aos atuais preços de mercado, os veículos GNC representam uma poupança de combustível de cerca de 40% face ao diesel”.

O grupo Dourogás possui atualmente uma frota de aproximadamente 80 viaturas movidas a gás natural veicular, entre pesados alimentados a GNL (Gás Natural Liquefeito) e veículos ligeiros com motores GNC (Gás Natural Comprimido).

Para Anabela Leite, responsável do Concessionário Irmãos Leite que concretizou o negócio, o facto de o ponto de venda estar localizado perto de um posto de abastecimento da Dourogás, que comercializa GNC, potenciou esta venda. “Estamos numa posição privilegiada para promover a comercialização, dentro da nossa área de influência, do LEON TGI, um modelo que encaixa perfeitamente nas exigências de quem pretende ter uma frota moderna, com um custo muito competitivo”, afirma a responsável.

Motores híbridos permitem um duplo benefício: mais económicos e mais biológicos

Além das vantagens ambientais, pelo seu contributo para a redução das emissões de CO2, um veículo CNG tem um custo por quilómetro especialmente baixo, um factor muito valorizado pelas empresas. Primeiro, porque o gás natural é mais eficiente do que outras fontes energéticas, já que precisa de uma menor quantidade de combustível para gerar a mesma energia. Por outro, pelo simples efeito do menor custo do GNC face aos combustíveis fósseis (gasolina ou diesel).