‘Quem tem a vontade, tem a força’ é o lema da piloto Laia Sanz, numa combinação de valor e de esforço que se repetem tanto nos treinos como na competição. Com 18 títulos mundiais de trial e de enduro, a oito vezes campeã no Rali Dakar na categoria feminina, declara-se uma apaixonada pela competição motorizada.

Piloto iniciou os treinos para participar nas 24 Horas de Barcelona de Automobilismo com o CUPRA TCR.

Como nova embaixadora da marca CUPRA, esta desportista prepara-se agora para o seu próximo desafio: as 24 Horas de Barcelona, que se realizarão no Circuito de Barcelona – Catalunha nos próximos dias 8 e 9 de setembro.

- Uma forma de vida: para Laia, a sua profissão é muito mais do que um simples modo de ganhar a vida: “O desporto faz parte do meu dia-a-dia e tudo roda à volta da atividade física”, comenta a piloto enquanto entra numa sala de ginásio de Barcelona que frequenta habitualmente. Aquecimento, exercícios aeróbicos e de força para manter-se em forma.

Evitar a desidratação e fortalecer o pescoço e as lombares são essenciais para enfrentar esta competição.

“Seja para competir em moto ou para correr em carro, o importante é preparar o corpo para evitar possíveis lesões. O treino diário é a chave para o conseguirmos” , acrescenta. Para os desafios sobre quatro rodas, é preciso prestar especial atenção ao pescoço e às lombares, já que são as zonas do corpo que mais sofrem com este tipo de competição”, diz Laia.

- Mente sã em corpo são:
além dos seus treinos para se manter em forma, esta desportista de elite segue também uma dieta equilibrada. “Não tenho um regime específico, mas procuro levar uma alimentação de acordo com o ritmo físico que tenho” . O Dakar, e outras corridas de fundo em que Laia participa, põem à prova a sua resistência e para poder enfrentá-las tem que estar a 100%.

Combina sessões de trabalho no ginásio com treinos no circuito junto da restante equipa.

- Do tapete para a pista: depois da sua sessão no ginásio, segue para a pista. A piloto participa pela quinta vez nesta corrida de resistência, uma das competições mais duras que elege como vencedora a equipa que mais quilómetros percorrer em 24 horas.

“É uma prova diferente. Em média, percorrem-se 3.500 km em mais de 700 voltas ao mesmo traçado
”, esclarece Laia à sua chegada ao Circuito de Catalunha - Barcelona, onde treina com a restante equipa.

- Um desafio a oito mãos: ‘A rainha do deserto’, como é conhecida popularmente, participará nesta prova numa equipa com Jordi Gené, Alba Cano e Francesc Gutiérrez. Nesta corrida, os pilotos revezam-se a cada duas horas. Laia destaca o trabalho em equipa: “É a base do sucesso. Esta prova faz-me lembrar, de certa forma, o Dakar. A coordenação com os colegas de equipa e os mecânicos é fundamental nos dois casos” .

Um carro a 60 graus:
é a esta temperatura que pode chegar o interior do veículo durante as 24H. “Circular tantas horas ao sol é duro. O calor e a desidratação são os principais obstáculos que temos que enfrentar ao volante.” , acrescenta a desportista.

Apesar da sua experiência em competição, Laia confessa que quando está na pista sente-se sempre sob pressão: “Queres sempre fazer o teu melhor. Não apenas por ti, mas para não falhares perante o resto da equipa”, acrescenta.

- Sensações sobre a pista: de 0 a 100 Km/h em 5,2 segundos. Assim arranca a piloto para o seu treino na pista ao volante do CUPRA TCR.

“É um veículo ágil e divertido de conduzir e, ao mesmo tempo, transmite uma grande sensação de segurança. A travagem é potentíssima”
, comenta enquanto desenvolve o processo de adaptação ao seu novo aliado de quatro rodas.

- Atrás de novo desafios:
Laia tinha apenas quatro anos quando se sentou pela primeira numa moto. O meu pai é um apaixonado pelo desporto motorizado e foi graças a ele que entrei neste mundo”, diz a piloto. Laia nasceu para a ação, “eu era uma menina muito irrequieta, pelo que o trial se encaixou perfeitamente com a minha personalidade” .

Desde então, Laia tem estado ligada ao mundo motorizado participando em diversas provas de motociclismo e de automobilismo. E agora tornou-se a embaixadora da CUPRA: “É uma grande honra para mim. É uma marca com uma grande ambição e poder fazer parte de um projeto assim é algo único” , conclui.